18 de out de 2011

Recapitulações


Em obra mediúnica nos diz Emmanuel Os séculos parecem reviver com seus resplendores e decadências. Fornece o mundo a impressão dum campo onde as cenas se repetem constantemente. Tudo instável[1]” (grifo nosso).

Quando analisamos estas palavras, muitas vezes nos perguntamos: Recapitulações? Mas de que? Interiorizamos nossos pensamentos segmentados pelas tradições[2] da Terra, acreditando ser nossa vida atual a única. 

Nossa vida é única, porém, para que possamos nos aperfeiçoar constantemente passamos nós outros por existências nos vários planos espirituais ou planetas habitados.

Por isso a lição do benfeitor espiritual. Em suma, retrata a Lei de Ação e Reação, onde, de acordo com nossas trajetórias, iremos recapitular resplendores ou decadências.

Chama-nos o benfeitor a atenção, em virtude de nós, espíritos encarnados, estarmos constantemente reencarnando na mesma situação após séculos e até milênios, não “aproveitando” como deveríamos os processos atuais para as vidas futuras que se seguem.

Com isto, ficamos a mercê de nossas próprias direções, que ainda envoltas de paixões nos fazem recapitular situações já sentidas anteriormente, ao invés de estarmos vivendo espiritualmente, procurando o aperfeiçoamento para felicidades[3] atuais e futuras.

Estes processos de estagnação ocorrem porque “... no curso dos milênios, as criaturas humanas, em múltiplas existências, têm amado mais a glória terrena que a glória de Deus[4]”. Segundo estes ensinamentos vivemos ainda banhados nos sentimentos carnais, sem procurar atuar dentro dos princípios ditados pelos espíritos superiores.

Vidas são experiências que se aglutinam, formando páginas de realidade. Lições que compõem romances, novelas, tragédias, merecem recordadas, qual manancial de aquisição simples, para edificar outras existências na romagem terrena, que representa elevada concessão divina para o milagre transcendente da evolução[5]” (grifo nosso).

As recapitulações de anomalias são resultados de nossas construções enquanto seres na caminhada de nós mesmos. A mudança moral, que nos levará a quebra de atitudes velhas pelas novas, se faz uma importante ferramenta para que consigamos recapitulações mais estáveis no provir.


Jivago Dias Amboni


[1] Idem lição 33.
[2] Sabe-se pelas mãos da Ciência que muito das tradições e dogmas hoje existentes em nossos conceitos de religião, ou religiosidade foram sendo introduzidos artificialmente no decorrer dos processos históricos.
[3] Entendendo-se aqui as ensinadas pelos espíritos.
[4] Evangelho de João 12:43.
[5] Comunicação mediúnica relatada a Divaldo Franco no livro Subilme Expiação pelo espírito de Vitor Hugo. Introdução (Prólogo), editado pela FEB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário